Facebook

sábado, 18 de julho de 2009

São Leopoldo Fest vs Feira do Livro

Após a São Leopoldo Fest teremos talvez não o “maior”, mas um dos mais importantes “eventos” de São Leopoldo (pelo menos assim deveria ser considerado e as políticas públicas assim o celebram): a Feira do Livro da cidade.
Em tempos de velocidade exacerbada, volatilidade, descartabilidade, planejar uma Feira do Livro exige um olhar atento para o lugar ocupado pela leitura no cotidiano da cidade. Consideramos que este é um dos momentos mais importantes do nosso cotidiano urbano. Criar uma cultura da leitura e do livro pressupõe o entendimento de que apreciar uma feira requer uma parada, como o fazem inúmeros “ratos” de Biblioteca, de sebos, de livrarias de livros novos... Ler, como diria Larrosa, é “demorar-se, é enfiar-se na leitura”. Portanto, exige um trabalho minucioso antes, durante e após a Feira do Livro.
Uma Feira do livro não pode ser um simples lugar de passagem (o que vem ocorrendo ano após ano no município). As pessoas passam rapidamente pelos livros, compram uma daquelas maletas com livros de qualidade literária e editorial duvidosa e dirigem-se para a praça de alimentação e/ou para apreciarem as atrações artísticas.
Isto fala sobre o lugar ocupado pelo livro no cotidiano de nossos leopoldenses e no cotidiano de nossas políticas públicas. Como bem diz um escritor conhecido nosso, que tem realizado um trabalho interessante na área da literatura —leitura de contos nas portas das fábricas e nos lugares que seriam considerados os mais inusitados—, “não tenho como gostar daquilo que não conheço”. A população opta por aquilo que o mercado cultural acaba financiando, disseminando e legitimando. Horrores são gastos ano após ano com atrações que se pulverizam logo após concluídas. E depois nos perguntamos: por que será que tantos brasileiros sofrem de um “analfabetismo funcional”, ou seja, mesmo tendo passado pela escola mal conseguem ler, escrever e interpretar textos simples? Interpretar!!!! Talvez fosse muito mais cômodo não ser capaz de interpretar algumas coisas. Talvez a vida fosse mais fácil!!!!
Como expus em outro momento no blog “ler devia ser proibido”, porque através da leitura passamos a questionar o nosso entorno e tudo aquilo que é considerado natural. Nietzsche já nos dizia “Inventamos as verdades, esquecemos que inventamos, esquecemos que esquecemos”.
Numa sociedade letrada como a nossa ninguém ousaria duvidar da importância do livro e da leitura. Porém, nos perguntamos: qual a importância do livro e da leitura nas políticas culturais de São Leopoldo? O que os leopoldenses esperam da próxima Feira do Livro da cidade? Ou teremos que continuar visitando ano após ano apenas a Feira do Livro da capital?
Esperamos que logo após a celebração do “maior” evento de São Leopoldo —a São Leopoldo Fest—, possamos celebrar com muita seriedade um dos “eventos” (é muito mais do que um “evento”) mais importantes da cidade: a Feira do Livro local!