Facebook

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Cliente nosso de cada dia III

Eventualmente tenho que sair da livraria para buscar livros nos distribuidores, e em uma destas saídas o nosso estagiário teve que ficar sizinho para atender. Ele estava um pouco preocupado em não encontrar algum título requisitado por algum cliente. Eu disse para ele ficar tranqüilo, pois apesar de sermos um sebo temos todos os nossos livros catalogados no sistema. É só o cliente dizer o nome do autor ou do livro e pronto.
Minutos após a minha saída o primeiro cliente chega e pergunta.

Olha estou procurando um livro. Não sei o nome do autor e, também, não sei o nome do livro. Mas, me lembro um pouco do assunto: “eram uma série de três, o primeiro conta a historia de dois (ou 3) irmãos que ficaram órfãos de pai e junto com sua mãe foram morar na casa da avó e esta não os queria. Parece que a menina era bailarina”.
Você tem este livro?
...

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Perfil do Blogger



- Dois terços são homens;
- 60% têm entre 18 e 44 anos;
- A maioria tem uma educação superior à da média da população;
- Mais de metade são casados;
- Mais de metade têm filhos;
- Metade têm emprego fixo a tempo inteiro.


Fonte: Visão, de 17 a 23 de Dezembro de 2009.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Cartografias de vida



Uma escritura budista discorre sobre as seis dificuldades de se viver numa casa: dá trabalho construí-la, dá mais trabalho ainda pagá-la, deve ser consertada sempre, pode ser confiscada pelo governo, vive recebendo visitas e hóspedes indesejados, serve de esconderijo para atos condenáveis.
Por outro lado, há seis vantagens de morar sob uma ponte: pode ser encontrada facilmente, o rio nos mostra como a vida é passageira, não nos dá a sensação de cobiça, não precisa de cerca, sempre passa alguém novo para conversar, não é preciso pagar aluguel.

Bela filosofia. Mas quando vemos as pessoas morando debaixo de pontes e viadutos, temos certeza de que este texto está errado.

...

Continua...

Um prego na parede...


A Leiteira, de Johannes Vermeer (circa 1660)

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Quando crescer quero ser um livreiro assim

Cliente nosso de cada dia II

- Minha senhora, eu percebo que estejas aborrecida por nenhuma livraria conseguir te ajudar…

- Olhe! Com esta já são cinco.

- Sim, eu sei, mas dizer simplesmente que o livro começa por “Era uma vez” não é lá uma grande ajuda, certo?

Cliente nosso de cada dia

- Mas minha senhora há mais de um ano que a escuto dizer quase diariamente “Pode recomendar-me alguma coisa divertida para ler?”

- É verdade... Vamos ver se desta vez você acerta!